Compartilhar por e-mail
Seu nome:
Seu e-mail:
E-mail destinatário:
Enviar
03Fev2016
Da lagarta à borboleta

As Transformações são tentativas da natureza de efetuar mudanças através das leis cósmicas do universo. Se o ego, a parte da consciência que dirige a vontade, obstruir a mudança, a crise ocorrerá para possibilitar uma mudança estrutural.

Somos movidos a desafios, a superações em  nossas vidas desde o momento do nascimento, quando precisamos do impulso vital para virmos ao mundo e respirarmos por si só. Nosso desenvolvimento e aprendizado para a alimentação no seio materno ou mamadeira,  nosso percurso para caminharmos do engatinhar até ficarmos firmes e eretos e não cairmos!  O controle dos esfíncteres, a fala, a escrita, a socialização, a emancipação do ambiente familiar, relacionamentos amorosos, a vocação, profissão, trabalho, vida adulta, social, maturidade, terceira idade, limitações, impedimentos, perdas, passagens, finalização..morte. Todo caminho do desenvolvimento humano mostra a superação de uma fase a outra, perdas e ganhos em cada uma delas, mas não tem como a natureza  ficar imóvel e  estagnada.

 Assim também é o nosso desenvolvimento psíquico/espiritual humano são desafios e mais desafios, e se ouver obstrução a mudança e ressitencia,  a crise  se manifestará  sob forma de sofrimentos, dificuldades, incertezas e inseguranças pra além do que  necessário para o periodo de transformação. 

A crise sacode hábitos arraigados, estagnados,  dilacera e rompe com o usual, procura romper velhas estruturas construídas sobre conclusões falsas.  A mudança é uma característica essencial da vida, onde há vida, há mudança.

Ao resistir a mudança resistimos a vida em si, ao natural fluxo do universo, como lagartas que transformam-se em borboletas não podemos cortar o casulo, muda-lo e  sair ou ficar nele pelo tempo que acharmos que devemos. O fluxo da vida, a dinâmica do universo que rege as leis naturais neste comando cósmico, divino é transformação,  é mudança para novos ciclos e voos.

Não tenhamos medo de  mudar, dar um passo a frente em nossas vidas.  Em alguns aspectos  da vida muitas vezes conseguimos o fluir de realizações e liberdade porque   não resistimos a mudanças, nos desenvolvemos  nos harmonizando com o movimento universal, mas em algumas áreas  reagimos  de maneira diferente devido aos bloqueios de negatividade  e medo dentro e fora de si  e ai a  crise vem para desbloquear, liberar potenciais para transformarmos, transmutarmos, darmos um salto para o nosso melhor, mesmo que no inicio pareça pior, estranho, como a borboleta deve sentir se quando alcança a saída do casulo para a natureza, saindo da sua zona de conforto no casulo e alçando seu voo a vida.

A razão de ser do desenvolvimento humano é libertar os potenciais inerentes, infinitos e a crise vem para sacudir, gerar novos estados de consciência. Crise, oportunidade de transcendermos  para o nosso melhor.

Baseado no livro O Caminho da Auto Transformação- Eva Pierrakos

 

    

 

Compartilhe:
04Nov2015
Relação Corpo Mente

O corpo tem interface entre o mundo interior e exterior, encenando nele toda uma historia de vida. A doença em qualquer de seus níveis, físico, psíquico, sócio ou espiritual atinge em menor ou maior grau todo o ser, tendo que ser vista como um todo e assim ser tratada.

O corpo que adoece pode ser visto como marcas e registros: 

- forças e crenças de vidas passadas poderm deixar referências, informações ou mandatos.

- certos padrões de comportamento, pensamentos, sentimentos e emoçoes negativas não trabalhadas influindo sobre a vida atual através de um processo bioquímico atuando no processo orgânico.

No seu aspecto cultural e antropológico a doença tem  um simbolismo, um potencial de revelações e descobertas relacionadas à própria vida, relação em que a doença é fruto de um estranhamento com o próprio corpo, projetando nas relações com os outros.

A doença tem o poder de reorganizar e ressignificar a própria vida.

A doença não necessita só de uma junta medica para aliviar sintomas, mas de novas formas de conhecimento despertada pelos sofrimentos. Existindo uma indução de sentido, uma urgência, um apelo, nem sempre bem reconhecido, canalizando todas as atenções, mas não se pode reduzir toda a experiência ao suprimir a dor, mas ressignifica-la dentro do processso vital.

O sofrimento representa o grito do corpo e do espírito, que pode ser maior que o da dor física.

Este sofrimento pode ser causado pelo diagnostico, pela expectativa deste, por fracassos nos tratamentos, pela sensação de impotência , tensões, angustias, e medos, diminuindo o limiar de percepção de dor, mas quando compreendido aumenta-se este limiar.

Tipos de dor:

- Sinal e função: aquela que representa os limites a serem respeitados, que protege, é a dor amiga, sinaliza algo.

- Dor limitante: priva o ser humano de desfrutar os prazeres possíveis, deprimindo o sistema imunológico.

Quanto maior a compreensão a respeito da vida seus significados e suas repercursões, com consciência do processo que se encontra, maior será a possibilidade de recuperar a saúde, encontrar harmonia consigo e com o mundo ao seu redor.

Compartilhe:
17Out2015
Praticas espirituais

“As práticas espirituais têm o objetivo de ampliar a percepção, aperfeiçoar a auto-observação e de sintonizar e manter a consciência no momento presente. E nesse processo, alguns episódios de cura acabam acontecendo porque, para nos estabilizarmos no momento presente, é necessário nos harmonizarmos com o passado. Sentimentos negados, mágoas e ressentimentos suprimidos, funcionam como âncoras que impossibilitam a ascensão e nos mantém presos a determinados quadrantes da consciência, distorcendo nossa percepção, nos limitando e impedindo que manifestemos nosso potencial. É isso que impede que alcancemos a meta maior que é a lembrança de quem realmente somos e do que viemos fazer aqui.”

Sri Prem Baba

Compartilhe:
04Out2015
Yoga: Asanas para integrar corpo e mente

A maioria das pessoas chega à vida adulta sem conhecer algumas informações básicas a respeito de seu corpo – mente.

Sabemos que nosso corpo físico, dirigido por um complexo de sistemas que se inter-relacionam, é a camada mais densa, mais bruta de nosso corpo-mente. Para que possamos nos desenvolver nas outras camadas sutis, precisamos mantê-lo sadio. Sem a compreensão das leis básicas e estruturais que governam nosso organismo, desenvolvemos hábitos fisicamente estressantes que aumentam nossa vulnerabilidade a doenças. O auto-conhecimento começa também na percepção e no cuidado com o nosso corpo físico.

Muitos exercícios físicos convencionais baseiam-se na suposição de que o corpo humano é uma maquina que pode ser forçada a funcionar “martelando, lubrificando, torcendo e chutando”. Mas o corpo é uma maquina e precisa exercer suas funções da forma a não sobrecarregar sua estrutura e não negligenciar seu ritmo natural.

É muito importante que pratiquemos atividades em que o corpo e a mente trabalhem juntos, intensificando a comunicação entre o cérebro e o resto do corpo. “Quando empregamos esforço muscular exagerado, o cérebro não consegue aperfeiçoar a organização neuromuscular”. Sendo assim, exercícios puramente físicos, baseados em força muscular e velocidade, na realidade, limitam a habilidade de cérebro para atuar em benefício do corpo e vice-versa. Precisamos empregar um esforço muscular dentro de um limite individual e particular para nosso cérebro ficar livre para fazer importantes distinções sensoriais.

Na nossa vida, a atenção ao corpo físico é de suma importância. Ele é o veiculo que tornará possível nossa viagem para o mais profundo do nosso ser. E cada um dos passos nesta viagem, tem sido cientificamente ajustado para se adaptar as necessidades individuais. Através das Ásanas (exercícios psicofísicos que atuam tanto na camada mais densa quanto nas mais sutis de nosso corpo-mente) e de uma alimentação apropriada, o corpo físico é condicionado a se tornar a base firme para uma mente equilibrada. Para praticarmos as Ásanas é necessário um mínimo de flexibilidade e coordenação neuromuscular. Para que isto seja possível, oferecemos uma serie de exercícios básicos para preparar o seu corpo para efetuá-las com maior eficácia. Lembre-se que o corpo-mente precisa de tempo para absorver novos hábitos. Desta maneira, a pratica diária é muito importante; empenho e força de vontade serão os seus mais fortes aliados. Tenha paciência com o seu corpo e respeite suas limitações. Daí, já inicia o processo de auto-conhecimento. Mesmo que seus músculos possam ceder apenas alguns centímetros, você estará sendo beneficiado.

 

Compartilhe:
22Set2015
Controle da Respiração

A mente alerta é ao mesmo tempo um meio e um fim, a semente e o fruto. Quando a praticamos para obter concentração, é semente. Mas ela própria é chama ardente de vida, e é portanto o fruto. A mente alerta nos livra do esquecimento e da dispersão, capacitando-nos a viver em totalidade cada momento presente e com sabedoria. Para isto temos que saber usar a respiração, uma vez que ela é um instrumento natural e de extrema importância para impedir a dispersão, e se manter consciente. A respiração é o elo que liga a consciência à vida, que une o corpo à mente. Ter controle da respiração é ter domínio sobre o corpo e a mente e sempre que nos sentirmos fora de controle, devemos usar o método de observa-la para nos recobrar e nos centrarmos.

Inúmeros  são os benéficos da respiração principalmente quando respiramos corretamente utilizando a respiração diafragmática profunda, ao invés de utilizar a respiração curta e torácica privando nos  de energia , sentindo cansaço, ansiedade, falta de concentração e baixa energia mental.

Quando o diafragma, um  grande músculo abaixo dos pulmões, com formado de domo, como um para-quedas, move-se na respiração abdominal, todos os órgãos internos são massageados e banhados em sangue fresco com muito oxigênio, aumentando a purificação e energização dos tecidos do corpo.

O cérebro consome três vezes mais oxigênio que o restante do corpo. Quando recebe adequadamente o fluxo de ar da nossa respiração  a irrigação  cerebral   acontece de forma plena, rica em oxigênio melhorando  o  nosso raciocínio, o nível de energia, a concentração e clareza mental.

A respiração diafragmática lenta e profunda  automaticamente estimula o sistema nervoso parassimpático e a resposta de relaxamento e calma,  sendo  quase impossível sentir se tenso ou ansioso com ela.

A  respiração é a fonte de inesgotável vitalidade e é o melhor alimento para o nosso corpo, nossa mente, nossas emoções, e nossa alma .

A respiração, o ar  é o  Prana, energia vital percorrendo os nadis (sutis  caminhos energéticos)  levando esta fonte energética aos centros vitais, os Chacras.

A respiração completa, consciente não somente abre e controla os portais de nossa mente, mas equilibra nosso corpo como um todo, integrando o nosso potencial criativo.

O ar,  o prana, o Qi, o sopro todos nos conduzem a estados diferenciados de consciência: a meditação, a presença, ao despertar, ao encontro com o que verdadeiramente somos, a nossa essência, nosso sábio e divino Ser.  

 

 

 

Compartilhe:
Magali Bergamo 2015 - Todos os direitos reservados
Criação de sites Vinhedo, Valinhos, Campinas